sábado, 28 de março de 2009

Revelações


Agora que tenho tido um regresso às origens, com um retorno convidado à Igreja do Seminário para ajudar na festa dos 800 anos da Ordem Franciscana, há algo em mim que nao posso deixar de partilhar (ou deixar passar impune).

Nao é a primeira vez que, de repente, se tivesse o hábito Franciscano em cima e despojado de tudo aquilo que me pode ser dispensavel, eu gostaria.

Conheço bem a ideologia Franciscana e nao me é nada .. incomoda. Para mim, faz todo o sentido. E mais do que fazer sentido, é um modo de vida ao qual eu gostaria de pertencer.

A ti, que estás a ler, nao te deixes surpreender. Talvez a pergunta que se impoe a seguir é: entao porque nao largas tudo e te tornas Frade?

Curioso. Vejo algumas pessoas a rirem-se com a situação. É natural. Eu tambem.

Bom, pergunta merece resposta. E é a mais obvia de todas. Porque faze-lo seria radical. Nao deixa de ser irónica. Afinal, na conotação de hoje em dia, radical é aquele que é capaz de aguentar 2938798 copos de alcool e correr direito pela Avenida da Liberdade.

Pedro debruça-se sobre a mesa, aqui ao meu lado, e pensa em voz alta: "Tão radical e ao mesmo tempo.. tao natural!"

Incrivel. Costumo achar piada a novos desafios. Este, no entanto, assusta-me. Nao por medo, mas pela enorme mudança que seria.

Uma cama de madeira, um colchão, uma roupa, e o facto de poder ajudar alguem alimentava a minha maneira de ser, e disso nao tenho duvidas.

Tão radical e ao mesmo tempo.. tão natural.

7 comentários:

Anónimo disse...

Meu querido mano!
Tuas revelações não me impressionam, não me surpreendem, comovem-me.
Saltam-me aos olhas lágrimas de felicidade, de amor por ti.

Sim, um sim a este desafio, despontado no teu coração, é uma mudança radical na tua vida.
Não sabes se estás preparado, é um sentimento comum naqueles que descobrem em si um chamamento para optarem por uma vida de amor, de entrega e com responsabilidade. Essas dúvidas sentidas, e o medo de não poder ser capaz, já passei por várias vezes na minha vida.

Um dia, quando descobri o sonho de vir a ser missionária, e deixei meu coração descobrir e sentir o que seria mesmo para mim, depois quando surge a possibilidade do namoro e eu ainda não me decidira. Nesse momento tinha dois pesos diferentes, cada um colocado em pratos de balança opostos, tentei não apressar decisões, nunca pelos outros, mas pela minha realização pessoal.
Passados uns anos, e porque tinha optado pelo casamento, a dúvida de ser mãe, será que sou capaz?
Era uma pergunta que permanecia em meu pensamento. Um dia, lá estava a força, a certeza, a coragem e o desejo de ser mãe…

Hoje digo, foram nove meses mágicos que vivi e que desejo viver, e o fruto que colhi foi o melhor que Deus me deu.

Não tenhas urgência de optar já, Ele está contigo e vai guiar-te a uma opção feliz onde te sintas realizado.

Estou contigo…
Beijo da tua mana!

Tiago Krug disse...

E seriamos confrades?
E chamaríamos também ao sol e à lua de irmãos?

Abraço...
E um sorriso!

Frei Tian!

Anónimo disse...

Mano parece existir mais alguém apaixonado pela luz franciscana!

E eu, será que na minha vida fico com três excelentes irmãos franciscanos?

Amo-vos aos três (Frei André, Frei Bruno e Frei Tian)!...

Beijinhos, Paula...

LenaD disse...

Alguém na 2ª feira te perguntava se também eras frade...
A tua resposta imediata: ainda não!
Beijos:)

magui disse...

=)

Anónimo disse...

Como (a)teu amigo... Apoiar-te-ia a 200%, rapaz! ;)
Um abraço...

You know who... =P

Ana Macedo disse...

Epah, com isto cada vez te admiro +

beijinhos***